Home Banca Equipe Painel Jurídico Serviços Parceiros Trabalhe Conosco Contato Restrito
Decisões do STJ beneficiam usuários de cheques especiais contra abusos dos bancos


O cheque especial é uma espécie de contrato de empréstimo entre o cliente e a instituição bancária, que disponibiliza crédito pré-aprovado vinculado à conta bancária. Mas essa comodidade, muitas vezes, se vira contra o correntista. O juro do cheque especial cobrado pelo uso do dinheiro extra é conhecido como um dos mais altos do mercado. Várias decisões do Superior Tribunal de Justiça (STJ) têm evitado abusos contra os clientes que lançam mão desse produto bancário.

Uma prática comum entre os bancos é a de alterar o limite do cheque especial sem aviso prévio ao correntista. O cliente deve ser informado dessas mudanças, mesmo se já for inadimplente. O STJ tem jurisprudência no assunto. O ministro Massami Uyeda aplicou o entendimento ao analisar o Agravo de Instrumento n. 1.219.280, envolvendo o Banco Itaú. A instituição cancelou o limite de um dos seus correntistas. No processo, o banco afirmou não ter havido falha na prestação do serviço e, portanto, não haveria ilícito. Mas o ministro Uyeda considerou que o banco deveria indenizar o cliente por danos morais, pois estaria obrigado a informar o correntista sobre mudanças no contrato de cheque especial.

Uma das primeiras decisões sobre a matéria foi da ministra Nancy Andrighi (Resp n. 412.651). Um cliente, já inadimplente com o ABN Real, teve seu limite do cheque especial cancelado. Um dos seus cheques foi devolvido e sua conta foi automaticamente cancelada. Entretanto, o débito não era do próprio correntista, mas relativo a empréstimo do qual ele foi avalista.

O cliente entrou com ação contra o ABN Real, pedindo indenização por dano moral. O banco afirmou que o cheque especial é um prêmio concedido aos clientes que cumprem suas obrigações em dia. No entanto, a ministra Andrighi esclareceu que “não há relação entre o contrato de mútuo avalizado pelo correntista e a abertura de crédito em conta-corrente, cujo limite de crédito foi cancelado, o que impede o cancelamento de um em razão da inadimplência do outro, pois são relações jurídicas distintas”.

Situação semelhante foi apreciada no julgamento do Resp n. 417.055, relatado pelo ministro Ari Pargendler. Na ocasião, decidiu-se não haver relação entre a abertura de crédito em conta-corrente e o contrato de cartão de crédito que autorize o cancelamento de um em razão de inadimplemento do outro. No caso, o cartão de uma cliente do Banco Real foi indevidamente cancelado, gerando uma ação por danos morais. A conta-corrente também foi cancelada, apesar de serem contratos diferentes com a instituição bancária. O ministro Pargendler afirmou não haver justificativa para o cancelamento. “A discussão sobre a circunstância de que houve ou não informação de que o cartão foi roubado é desimportante para a causa, pois houve o cancelamento indevido – fato que por si só gera o dano moral, inexistindo, nessa linha, ofensa ao artigo 128 do CPC”, esclareceu.

Um dos abusos mais comuns dos bancos é: “Cancelar ou diminuir o limite do cheque especial, sem aviso prévio. Isso pode ser considerado uma quebra de contrato”.

Salário

Outro abuso cometido por bancos é a retenção de salários para a quitação de cheque especial. O artigo 649 do Código de Processo Civil (CPC), no entanto, veda a penhora, entre outros, de salários e vencimentos necessários à manutenção do devedor e sua família. Esse foi o entendimento do ministro Humberto Gomes de Barros, já aposentado, no julgamento do Recurso Especial n. 507.044.

No processo, o Banco do Brasil admitia a prática da retenção de salário, sob a alegação de estar exercendo seu direito de execução do contrato. Disse que os valores depositados estariam cobrindo os débitos na conta-corrente, podendo a operação ser considerada legal. O ministro, entretanto, entendeu que, mesmo com permissão de cláusula contratual, a apropriação de salário para quitar cheque especial é ilegal e dá margem à reparação por dano moral.

O ministro João Otávio de Noronha tomou decisão semelhante no Agravo de Instrumento n. 1.298.426. No caso, o Banco Santander entrou com recurso para que fosse permitida a retenção do salário de correntista. O ministro Noronha ressaltou que, baseada na aplicação do artigo 649 do CPC, a jurisprudência do STJ já está fixada nesse sentido.

Taxas

Outras decisões do STJ têm combatido os excessos na fixação de taxas de juro em cheque especial e demais contratos bancários. Um exemplo é o Recurso Especial n. 971.853, impetrado pela Losango Promotora de Vendas Ltda. e HSBC Bank Brasil S.A. No caso, um correntista entrou com ação para retificação da taxa de contrato fixada em 380,78% ao ano.

O relator do recurso, ministro Pádua Ribeiro, já aposentado, considerou que haveria uma “flagrante abusividade no caso”, na medida em que a média de mercado no mês em que o empréstimo foi concedido era de 67,81%. O magistrado afirmou que, apesar de não ser possível considerar abusivas taxas acima de 12% ao ano, na hipótese analisada o valor seria por demais excessivo.

O Ibedec, afirma que os contratos para cheques especiais são demasiadamente genéricos e não especificam as taxas que variam acima do mercado. Destaca que, para provar que as taxas de mercado são excessivas, é necessária a realização de perícia ainda nas instâncias inferiores.

O STJ vem entendo ser possível a capitalização (juros sobre juros) em cédulas de crédito bancário, como o cheque especial. Ele destacou que as normas legais que permitem isso, como a Medida Provisória n. 2.170/2001 e a Lei n. 10.931/2004,mas estão sendo contestadas no Supremo Tribunal Federal (STF) pela Ação Declaratória de Inconstitucionalidade n. 2.136.

CODIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Tem havido decisões no STJ que classificam instituições financeiras como prestadoras de serviços em operações creditícias para consumidores finais, especialmente em situações de descumprimento do CDC. Um exemplo é a tomada no Agravo de Instrumento n. 152.497, relatado pela ministra Nancy Andrighi. “Os bancos, como prestadores de serviços, estão submetidos às disposições do Código de Defesa do Consumidor”, apontou.

O ministro Barros Monteiro, atualmente aposentado, afirmou, no Recurso Especial n. 213.825, que, apesar de os juros serem regulamentados por lei complementar, o CDC seria aplicável a instituições financeiras. “Se o empréstimo é tomado por consumidor final, a operação creditícia realizada pelo banco submete-se às disposições do Código, na qualidade de prestador de serviços”, destacou Barros Monteiro.

Os bancos têm uma excessiva liberdade para fixar juros e modificar os contratos por falta de uma legislação que regulamente esses serviços. “Os clientes não são adequadamente informados do valor dos juros que pagarão pelo serviço, das mudanças nos contratos, limites e etc.

O Ibedec afirma ainda que, além de faltar legislação sobre temas específicos, como um teto máximo para o “spread bancário” (diferença entre o custo de captar dinheiro e as taxas efetivamente cobradas nos empréstimos), muitas vezes as leis existentes não são aplicadas. “Os bancos contam com o fato de que os clientes não conhecem seus direitos e a maioria não procura o Judiciário. Os clientes de bancos não devem ter medo de procurar a Justiça se se sentirem prejudicados”.

Fonte: STJ


Voltar

 Concursado em lista de espera tem preferência sobre terceirizado

 Estado deve fornecer home care a idosa com Alzheimer

 Casal será indenizado por perder festa após atraso de voo

 Plano de Saúde deve indenizar família de paciente que faleceu após internação

 Pai terá de pagar o valor de R$ 200 mil a filha por abandono afetivo, decide STJ

 Ampliado benefício de isenção de IPVA para pessoas com deficiência física, visual, mental e autistas

 Empresa deve indenizar por falha em rastreamento de veículo

 Liminar suspende aumento de plano de saúde

 Liminar suspende aumento de plano de saúde

 Consumidor será indenizado por problemas no abastecimento de água

 Empresa de ônibus deve indenizar passageira por acidente

 Nova lei permite atribuir multa ao condutor habitual do veículo

 Faculdade deve indenizar por curso superior que não habilita para o exercício da profissão

 Devedor tem direito de propor ação de prestação de contas para apurar valores arrecadados em leilão

 Jovem atingida por foguete no réveillon de Barra Velha será indenizada em R$ 1 milhão

 Câmara de SP aprova instalação de microchips em uniformes escolares

 Operadora de telefonia móvel deve indenizar por cobranças indevidas

 Empresa de saneamento básico deve indenizar por vazamento de esgoto

 Ações contra planos de saúde disparam em São Paulo; em 2017, são 117 por dia

 Usuários ganham 92% das ações contra planos

 Caráter público da magistratura permite que jornalistas critiquem decisões de juiz

 Estacionar em frente à garagem gera indenização por danos morais

 Homem que passou mais de duas horas em fila de banco receberá R$ 5 mil por danos morais

 Dívida de antigo proprietário de imóvel não impede transferência da titularidade da conta de energia eletrica

 Ameaça espiritual serve para caracterizar crime de extorsão

 Demora na implantação de benefício previdenciário gera dano moral

 Morador inconveniente terá que indenizar vizinho de condomínio por abusos reiterados

 Vigilância contratada por condomínio não tem obrigação de indenizar bens de moradores

 é possível incluir devedor de pensão em cadastros de proteção ao crédito

 Empresa pode monitorar programa de bate-papo corporativo, diz corte europeia

 Fabricante terá de pagar R$ 23 mil por tênis defeituoso

 Contrato de plano de saúde não pode ser rescindido sem processo administrativo

 Homem que recebia seguro-desemprego enquanto trabalhava sem registro é condenado por estelionato

 Pais de aluno que agrediu professor devem pagar indenização por danos morais

 Mulher que recebia alimentos informais garante pensão por morte do ex-marido

 Multa por comportamento antissocial no condomínio exige direito de defesa

 Tribunal nega majoração de pensão para mulher cujo filho já tem o essencial.

 Revenda que não transferiu veículo em tempo hábil indenizará cliente prejudicado

 Cadeirante pode viajar de graça de avião

 Portador de câncer é isento de imposto de renda mesmo nos casos de não reincidência da doença

 Mulher receberá indenização por morte de noivo em loja de departamentos

 Motociclista receberá R$ 50 mil de município por ausência de sinalização em lombada

 Mulher que caiu dentro de ônibus em movimento recebe indenização de R$ 5 mil

 Operário será ressarcido por despesas com lavagem de uniforme

 Pais que comprovem dependência econômica de filho falecido fazem jus à pensão por morte

 Consumidora constrangida ao tentar adquirir celular pelo preço anunciado deve ser indenizada

 Operário que fazia mais de cinco horas extras por dia será indenizado

 Instituições de ensino devem fornecer documentação solicitada por alunos inadimplentes

 É desnecessária a devolução de parcelas previdenciárias recebidas por erro administrativo.

 Falha na segurança pública gera dever de indenizar

 FGTS pode ser usado para quitação de consórcio imobiliário

 Banco é condenado a indenizar consumidor por demora no atendimento

 Transtorno bipolar pode ser considerado doença grave com direito a aposentadoria integral

 União é responsável solidária pelo fornecimento de medicamento à população carente de Estados, DF e Municípios

 Consorciados que se retiram antecipadamente de grupo devem receber saldo do fundo de reserva

 Trabalhador que constatou doença ocupacional após dispensa obtém estabilidade

 Gravidez iniciada durante aviso prévio gera direito à estabilidade provisória

 Pedido de alto renome custará até R$ 41,3 mil reais.

 Queda de bicicleta em buraco na via pública gera indenização

 As consequências do jeitinho brasileiro na adoção ilegal de crianças

 Permitida a desaposentação sem devolução de dinheiro ao INSS

 Lei de SP autoriza cassar inscrição estadual de empresas

 Plano de saúde deve custear tratamento de dependente químico sem limite de prazo

 Pessoas com deficiência e maiores de 60 anos terão auxílio para uso do Processo Judical Eletrônico

 União estável e a separação obrigatória de bens

 Divergência conjugal quanto à vida financeira da família pode levar à alteração do regime de bens

 Corretora de imóveis consegue vínculo empregatício com imobiliária

 Motorista que mata pode sofrer penhora de bens de familia

 Plano deve avisar mudança na rede credencada ao paciente

 Dono de imóvel não responde por dívidas contraídas por locatário

 STJ aplica o Código Civil em discussão sobre tarifa bancária

 O Suicídio como Acidente de Trabalho

  Cantiga obscena em festa de aniversário rende indenização a trabalhador

 Indenização para mulher com nome negativado por cheque do marido

 Senado altera regras de transmissão de herança

 Cláusula restritiva de seguro deve ser conhecida no momento da contratação

 Decisões do STJ beneficiam usuários de cheques especiais contra abusos dos bancos

 Sindicato deve indenizar empresa por danos materiais

 Câmara arquiva proposta de vínculo de trabalho para diarista.

 Restituição de IR é impenhorável quando derivada de ganhos salariais

 declaração anual de quitação de débitos pelas pessoas jurídicas prestadoras de serviços públicos ou privados

 Roubo de cartão de crédito desobriga pagamentos de compras irregulares

 PIRATARIA DE LIVROS

 Planos de saúde para ex-empregados

 Justiça do Rio condena banco por demora na fila do caixa

 Falta de vagas na garagem

 Multa de trânsito deve ser aplicada pelo Poder Público

 Não incide ICMS sobre vendas realizadas em bonificação

 Bancos terão que indenizar clientes lesados em financiamento de carros

 Imóvel de mutuário contratante de seguro de vida fica quitado mesmo se atrasou prestação

 Administração deve indenizar por demora na análise de aposentadoria

 Determinado à operadora de plano de saúde contratar com idoso

 Tribunal Superior do Trabalho condena banco em R$ 1,3 milhão por assédio

 Consulta ao Serasa / SPC é ato discriminatório na seleção de pessoal

 Declarada ilegal tarifa de quitação antecipada cobrada pelo Itaú

 Governo de SP regulamenta bloqueio ao telemarketing

 Férias sem descontar INSS

 Jovens podem contar tempo de estudante para aposentadoria.

 Órgão de proteção ao crédito precisa notificar previamente devedor

 Só decisão judicial pode tirar pensão alimentícia de filho maior de idade

 Motoboy tem reconhecido seu vínculo empregatício

 Poder Público também é devedor quando terceiriza obrigação constitucional

 Empresa deve devolver em dobro quantia paga por serviço não solicitado

 Empresa em crise financeira pode descumprir acordo trabalhista

 Igreja tem de devolver doação a fiel arrependido

 Banco terá que indenizar cliente por 50 minutos de espera na fila

 Roubo de Cartão de Crédito desobriga pagamento de compras irregulares

 Aprovado parcelamento de multa

 Bancos terão de fornecer dados de clientes ao Banco Central

 Imobiliária é condenada a indenizar por falta de cuidado na administração de imóvel

 Motorista monitorado por celular tem direito a hora extra

 Associação de moradores não pode cobrar taxa de condomínio

 Brasil e EUA assinam acordo de troca de dados tributários

 Prática de overbooking configura dano moral

 Acordo de Assistência Jurídica em Matéria Penal entre o Governo da República Federativa do Brasil e a República do Peru

© 2018 - Todos os direitos reservados
Al. dos Araes, 1398 - São Paulo/SP - Planalto Paulista - CEP: 04066-003
Telefone: (11) 5093-6792